NOTÍCIAS

“Não adianta o governador pedir desculpas pela incompetência”, diz Ricardo Nicolau sobre má gestão do Amazonas

Por Assessoria de Comunicação

16.fev.2022 7:48h
img
Foto: Marcelo Cadilhe

Após a Secretaria de Fazenda do Amazonas (Sefaz) apresentar dados das finanças do estado, o presidente da Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) da Assembleia Legislativa do Amazonas (Aleam), o deputado estadual Ricardo Nicolau (PSD), afirmou o governador Wilson Lima (PSC) precisa ir além dos pedidos de desculpas nas redes sociais e gerir de forma mais eficiente os recursos do estado. A declaração ocorreu durante a audiência pública desta semana com a Secretaria de Estado da Fazenda (Sefaz) para avaliar o cumprimento das metas fiscais do governo do Amazonas.

Os dados apresentados pela própria Sefaz revelam que o Estado teve um acréscimo de R$ 2,7 bilhões na arrecadação de impostos em 2021 em comparação com o ano anterior. De acordo com Ricardo Nicolau, os números provam que o Amazonas está arrecadando mais, porém falta eficiência na gestão dos recursos. “Infelizmente o governo gasta mal. Não adianta o governador ir para as redes sociais pedir desculpa pela incompetência, pela inoperância e pela negligência. O governo deixou de cumprir um papel importante na qualidade dos serviços públicos e no cuidado com as pessoas”, enfatizou.

 

Caos na segurança

O governo do Estado arrecadou R$ 25,5 bilhões em 2021, montante 12% maior na comparação com 2020, quando as receitas foram de R$ 22,7 bilhões. Ricardo Nicolau afirmou que a falta de gestão compromete ações de pastas estratégicas, como a da segurança pública. “Isso comprova que não há nenhuma desculpa e que os serviços públicos que hoje são prestados com péssima qualidade poderiam ser melhores. O Amazonas não precisa viver esse caos na segurança pública. Recursos tem e muito; falta planejamento e vontade política para fazer”, ressaltou.

Ricardo Nicolau destacou ainda que o governo gasta mais com o sistema penitenciário do que com o auxílio prestado para as famílias durante a pandemia de Covid-19. “O valor gasto com o auxílio para as pessoas em vulnerabilidade, que é importante para a economia e para as 300 mil famílias que precisam, é muito próximo com o valor gasto no sistema penitenciário com, aproximadamente, dez mil presidiários”.

O presidente da CAE destacou, ainda, que o governo não tem um planejamento para desenvolver o Estado após a pandemia. “Não se vê planejamento estratégico para a pós-pandemia, para a retomada das atividades econômicas. Oportunidades de desenvolvimento serão perdidas”, enfatizou.

 

 

55 92 98153 7004 (WhatsApp) | Thiago Barros (SRTE/AM 667)

55 92 3183 4419 | Gabinete

Skip to content