NOTÍCIAS

Reciclagem: Roberto Cidade reforça iniciativas de sua autoria que visam mitigar danos ao meio ambiente e às pessoas

Por Assessoria de Comunicação

17.mai.2023 15:50h
img
Foto: Joel Arthus

Ano após ano os alertas de danos ambientais se tornam mais frequentes e preocupantes. No entanto, medidas simples podem, a longo prazo, amenizar as consequências do mau trato do ser humano ao meio ambiente. E, como forma de contribuir para um futuro mais sustentável, o deputado estadual Roberto Cidade (UB), neste Dia Internacional da Reciclagem, chama atenção para a Lei nº 5.414/2021, de sua autoria que institui a “Semana Lixo Zero” no estado do Amazonas.

A lei visa conscientizar as pessoas sobre o descarte correto de bens inservíveis. “É importante termos a consciência de que tudo que não é descartado no local certo, volta à natureza e, consequentemente, em algum momento causa transtornos para o ser humano. Por isso é cada vez mais urgente que mudemos os maus hábitos e comecemos a adotar medidas que amenizem danos ao meio ambiente. Nossa lei tem essa proposta e, a cada ano, vem se fortalecendo e levando essa mensagem a mais pessoas. Que possamos dar a nossa contribuição ao meio ambiente através da mudança de práticas prejudiciais”, reforçou.

A “Semana Lixo Zero” já existe em mais de 200 cidades brasileiras e no estado do Amazonas, que também faz parte dessa corrente de responsabilidade social e ambiental, com a redução da geração de lixo e o reaproveitamento máximo dos resíduos. Conforme dados do Ambientebrasil, as latas de alumínio demoram de 200 a 500 anos para se decomporem, os plásticos até 450 anos e o vidro tem tempo indeterminado, mas seus impactos são duradouros.

“Tudo o que fizermos ainda é pouco para mudarmos essa realidade para a qual estamos caminhando, de mudanças climáticas e desastres naturais. Entretanto, é imprescindível que façamos a nossa parte e nossa lei tem esse objetivo. Precisamos que todos sejam multiplicadores dos conceitos de preservação ambiental”, reforçou.

 

Óleo de cozinha

Nesse sentido, o deputado também chama atenção para a proposta que regulamenta a destinação correta e o reaproveitamento do óleo de cozinha por empresas de alimentação no Estado. Conforme o projeto, os estabelecimentos comerciais com atividade de produção e venda de refeições em geral, devem instalar aparelhos adequados para a coleta e estocagem dos óleos vegetais usados na preparação de alimentos.

“Dados da Associação Brasileira das Indústrias de Óleos Vegetais (Abiove) estimam que são utilizados três bilhões de litros de óleo por ano no País, e estudos mostram que um litro de óleo pode contaminar até 25 mil litros de água. Essa lei visa resguardar o meio ambiente e os mananciais da região Amazônica. Muita gente não se atenta, mas esse é um tema de fundamental importância para o meio ambiente. O óleo mal descartado gera vários problemas não só aos rios e florestas, mas à rede de esgoto, já que misturado com água e resto de comida, se transforma em pedras que obstruem a tubulação”, falou.

A proposta prevê, ainda, que as empresas instaladas no Polo Industrial de Manaus (PIM) ficam obrigadas a exigir de seus fornecedores de alimentos a certificação obrigatória de destinação dos resíduos gerados em suas cozinhas industriais. A certificação de destinação e reaproveitamento de óleo de cozinha de pessoas físicas e jurídicas será feita, de acordo com a propositura, pela Fundação de Vigilância em Saúde do Amazonas Drª. Rosemary Costa Pinto (FVS/AM).

 

Sobre a reciclagem

Hoje, 17 de maio, é comemorado o Dia Mundial da Reciclagem, instituído pela Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência, e a Cultura (Unesco), com o objetivo de estimular a reflexão a respeito da destinação correta dos materiais consumidos pela humanidade. O processo de reciclagem é uma das alternativas para correta destinação dos resíduos, proporcionando a mitigação de diversos possíveis danos ao meio ambiente e, consequentemente, à saúde humana.

A reciclagem é o processo em que há a transformação do resíduo sólido que não seria aproveitado, com mudanças em seus estados físico, físico-químico ou biológico, de modo a atribuir características ao resíduo para que ele se torne novamente matéria-prima ou produto, segundo a Política Nacional de Resíduos Sólidos.

A reciclagem possui um importante papel, uma vez que, além de reduzir a quantidade de rejeitos, também diminui a procura por novas matérias-primas. Assim, quanto mais se recicla, mais se reaproveita e, desta forma, menor é a necessidade de extrair novos materiais da natureza.