NOTÍCIAS

Wilker cobra que superintendente do DNIT no Amazonas encaminhe à Aleam novo cronograma de conclusão das pontes que caíram na BR-319 

Por Assessoria de Comunicação

15.jun.2023 14:04h
img
Foto: Divulgação Assessoria

Em Audiência Pública do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit) realizada pela Assembleia Legislativa do Amazonas (Aleam), na última terça-feira, 13, o deputado estadual Wilker Barreto (Cidadania) cobrou que o superintendente regional do órgão federal no Amazonas, Luciano Moreira de Sousa Filho, encaminhe o novo cronograma de obras das duas pontes que desabaram em 2022, sobre o Rio Curuçá e Rio Autaz Mirim, localizadas nos quilômetros 23 e 25 da BR-319, respectivamente.

A cobrança do parlamentar ocorre após o representante do Dnit anunciar a construção de pontes, em caráter semi-permanente, nos dois trechos da rodovia, com a conclusão prevista para outubro de 2023. No entanto, a nova informação já difere da proferida pelo próprio Luciano em 1º de dezembro de 2022, durante Cessão de Tempo na Assembleia Legislativa, de que a reconstrução seria feita em até um ano. Na ocasião, Wilker cobrou do dirigente o cumprimento do cronograma por parte da autarquia federal.

“Quando eu vejo a construção das pontes provisórias para outubro deste ano, o que foi dito pelo superintendente em 1º de dezembro do ano passado cai por terra. Como esta Casa não foi municiada em tempo real do que estava acontecendo, peço que seja enviada e atualizada, ainda essa semana, o novo cronograma de execução de conclusão das pontes para o Parlamento estadual”, pediu Barreto.

O deputado ressaltou que a lentidão na conclusão das pontes colapsadas está impondo sofrimento aos mais de 120 mil moradores de municípios, como Autazes, Careiro Castanho, Careiro da Várzea, Nova Olinda do Norte e Manaquiri, além de prejudicar a economia das cidades afetadas.

“Uma coisa é certa, o sofrimento está no limite e para minha tristeza, os prazos não são mais os mesmos. São mais de 120 mil pessoas que dependem dessas novas estruturas. Temos colegas vereadores de municípios que relatam a economia colapsada, o custo de vida que já não é fácil, piorou”, frisou Wilker.

Por fim, o parlamentar cobrou uma maior atuação do Governo estadual nessa questão das pontes. “O Governo precisa intervir, o Estado não pode deixar de participar porque a esfera é federal. Nós temos o dever e obrigação para com o nosso povo”, finalizou.

 

 Queda

No dia 20 de setembro de 2022, a ponte sobre o Rio Curuçá (KM-23) desabou, causando a morte de cinco mortos e 14 feridos. Já em 8 de outubro do mesmo ano, a estrutura sobre o Rio Autaz Mirim (Km-25) também colapsou, mas felizmente não houve feridos.

 

 

 

Jornalista responsável: Nathália Silveira (92) 98157-3351

Texto: Dayson Valente